O casamento é um de um laço de amor. Um laço que deve ser leve como um abraço, não apertado como um nó, mas firme o suficiente para não se desfazer com o vento.

O casamento deve ser feito de amor, de respeito e admiração. Deve sobreviver ao fim da paixão, a tormentas e qualquer tipo de tentação. Num casamento deve haver diálogo, não discussão. O importante não é saber quem tem razão, mas encontrar um consenso. 

Num casamento, as duas partes devem aprender a ceder. Se apenas um cede, sem nada em troca receber, a frustração se instala e a amargura pode começar a crescer.

As mágoas e tristezas que surgem não devem ser guardadas, devem virar palavras, que sejam escritas ou faladas. As palavras emudecidas, viram rancor. E não há nada melhor para acabar com o amor do que um baú de memórias cheio de rancor.

O casamento deve ser um compromisso feliz e espontâneo. Não um encargo pesado, uma obrigação. No casamento deve haver união, porque quando duas pessoas se juntam é para remar na mesma direção. 

O casamento é apenas o começo! Um laço de amor que pode guardar um presente maravilhoso para o futuro.